22/08/2018 Undime

Todas as notícias Categorias

Especialistas apontam oportunidades criadas pelo projeto de criação da nova BNCC

“A Base Nacional Comum Curricular (BNCC) não se resume apenas à formação de currículo, mas perpassa diversas temáticas como integração, equidade, qualidade, avaliação externa, formação de professores e material didático”. Foi assim que o Vice-Presidente do Conselho Nacional de Secretários de Educação (Consed) e Secretário de Educação de Pernambuco, Fred Amancio, definiu a importância do debate promovido pelo 7º Fórum Nacional Extraordinário dos Dirigentes Municipais de Educação (7º FNEx) na última sexta-feira (17), durante o painel que refletiu a implementação da Base Nacional.

Amancio afirmou que o trabalho de colaboração realizado durante o processo de construção representa um marco também para o país, tendo em vista a mobilização que o debate fomentou em secretarias de educação brasileiras. “Este foi um passo importante para pensar em projetos de cooperação amplos até mesmo para a formação de professores”, sugeriu.

Explicando o processo e os papéis dos atores que hoje discutem e pensam no modo de implementar as bases estaduais, o Diretor de Currículos e Educação Integral da Secretaria de Educação Básica do Ministério da Educação (Seb/MEC), Raph Gomes Alves, ressaltou a importância da participação dos mais diversos agentes educacionais ao longo do processo e os ganhos alcançados até o momento.

“A BNCC permitiu iniciar um processo amplo de colaboração, citado já na própria Constituição Federal de 1988. A partir da BNCC, criamos um trabalho de compartilhamento de decisões e de troca de experiências, inclusive em web conferências que vêm sendo realizadas quase que diariamente”, recordou.

Para o Presidente da Associação Brasileira de Avaliação Educacional (Abave) e Relator da Comissão da BNCC no Conselho Nacional de Educação (CNE), Joaquim José Soares Neto, o maior ganho da BNCC está na tentativa de estancar a desigualdade educacional brasileira. “Tudo o que estamos fazendo agora, por meio dessa uma política pública de grande dimensão, é garantir a chance de quebrar o círculo vicioso de desigualdade, permitindo que todas as crianças tenham acesso a ensino de qualidade e garantido o direito constitucional”, apontou o relator.

Compondo a mesa, o secretário executivo do Fórum Nacional de Conselhos Estaduais de Educação (FNCE), Felipe Salomão, e o presidente da União Nacional dos Conselhos Municipais de Educação (Uncme), Manoel Humberto Gonzaga, trouxeram as contribuições realizadas pelas entidades durante a etapa de consolidação das propostas. O encontro foi coordenado e mediado pelo dirigente municipal de Sud Mennucci (SP) e Presidente da Undime SP, Luiz Miguel Garcia.

“A Base surge como uma grande ferramenta do início de um novo processo de construção de currículos e ferramenta de formação de professores. Este documento é vivo e estará sempre em constante atualização. O trabalho de articular equipes e construir esta reflexão é a grande herança do processo de construção curricular e de trabalho conjunto”, finalizou. 

O Fórum

A sétima edição do evento debateu, entre os dias 14 e 17 de agosto, em Recife (PE), “O Direito à educação e a garantia ao acesso, à permanência e à aprendizagem”. Dividido entre mesas-redondas, conferências e oficinas, o Fórum ainda estimulou o debate em torno de assuntos como a implementação da Base Nacional Comum Curricular (BNCC) e o Financiamento da educação.

Ao final do 7º FNEx, a Undime aprovou uma Carta, elaborada em conjunto com os 1.500 participantes do 7º Fórum Nacional Extraordinário dos Dirigentes Municipais de Educação, representantes de quase mil municípios brasileiros.

Todas as notícias Todas as categorias